terça-feira, junho 20, 2006

Solidão



Solidão

Ouso pensar em silencio
sem ter medo da multidão
que me olha em delírio
pela minha solidão

Sou alma infinita neste espaço
onde a vontade de ficar
fica presa no limite
da certeza de pensar

Fico grato à solidão
onde o espaço limitado
me liberta a alma
e o pensar fica alargado

Atravesso estas paredes
o meu horizonte fica nas costas
e a minha própria ilusão
sai de mim e dá voltas

Estas paredes escuras
em vez de me calar
me dão força para continuar
inspiram o meu cantar

12 comentários:

ana s disse...

Bonito poema! A solidão serve para inspirar. São nos momentos entre quatro paredes com pensamentos e ilusão que nascem os mais belos poemas. beijinhos

an ordinary girl disse...

Gostei muito! Parabéns! Um poema que eu gostava de ter escrito porque o penso e sinto, também.

Secreta disse...

A solidão e o silêncio podem por vezes ser os nossos melhores aliados.
Deixo um beijito.

Inhita disse...

Por vezes precisamos de estar sós, para reflectir, sonhar...e estarmos connosco próprios

mulher rochedo disse...

ola boa noite
bigado pela tua visita no meu canto .

bjos

Nylda disse...

Olá Carlos...
Desculpa a minha ausência. Bem mas estou aqui de novo.
Parabéns pelo poema, lindo, a solidão por vezes é nossa aliada, para colocar as ideias em ordem, muitas vezes escrevemos o que nos vai na alma, são por vezes esses momentos de solidão que nos ajudam a sonhar.
Bom fim de semana com tudo de bom.
Beijos e um sorriso.

Ana Luar disse...

Quantas vezes Carlos é no silêncio que descobrimos a melhor maneira de acalmar a solidão da alma, a que doi a que magoa... a que nos retalha deixando a rubro as dores interiores que ninguem vÊ.

Ni disse...

Canção amarga

Que importa o gesto não ser bem
o gesto grácil que terias?
--- Importa amar, sem ver a quem...
Ser mau ou bom, conforme os dias.

Agora, tu só entrevista,
quantas imagens me trouxeste!
Mas é preciso que eu resista
e não acorde um sonho agreste.

Que passes tu! Por mim, bem sei
que hei-de aceitar o que vier,
pois tarde ou cedo deverei
de sonho e pasmo apodrecer.

Que importa o gesto não ser bem
o gesto grácil que terias?
--- Importa amar, sem ver a quem...
Ser infeliz, todos os dias!

David Mourão-Ferreira

Bj* e Bom fim-de-semana

Sindarin disse...

Olá amigo! Só agora pude vir porque só agora a ligação à net foi restabelecida por uma falha técnica. Lindo poema, até me senti melhor impelida a lutar tb. Um grande bj e um óptimo Domingo e uma óptima semana. Obrigado pela amizade e pelas visitas. Mtos bjs

NI disse...

Poema bonito, um pouco triste.
Bj* Boa semana.

Martuxa disse...

O amor é a solidão partilhada

Cain disse...

Muito inerente a forma em que se aplica, certo... meus parabéns.