sexta-feira, maio 08, 2015

Beijo


beijo dado e em mim guardado
beijo roubado, que foi tua vontade
beijo saudade, e sempre recordado
beijo que ficou pela metade

beijo tortura, quando não dou
beijo esquecido, que já não volta
beijo promessa que só ficou
beijo perdido, que ficou sem resposta

beijo que dou em tua boca
beijo gostoso, adocicado
beijo intenso que me sufoca
beijo que fica, até outro ser dado

domingo, maio 03, 2015

Uma nova vida



num abandono deliberado, 
a sua sorte está na ausência,
de não reconhecer o passado
e de um futuro sem essência 

é o vazio de quem se senta
num canto a preto e branco,
se separa desta vida violenta
e acolhe o  calor de um banco

procura  certos olhares perdidos
na memoria distante e deserta,
aqueles momentos escondidos 
guardados em parte incerta

parte numa renovada esperança,
colorida, não escolhe o caminho 
vai até onde o seu olhar alcança
descobrir, uma nova vida, sozinho

sábado, maio 02, 2015

Vertente



Na vertente íngreme de mim
onde hesito permanecer
basta um passo, um sim
para que tudo possa acontecer

ter a vantagem de ser alado
e de mim partir sem receio
e se o chão me estiver guardado
poder abrir as assas a meio

ter garras de trepador
e me erguer bem alto
ser mais que um sonhador

e sem hesitar da vertente
me libertar, dar o salto
e voar, ser eu somente

quarta-feira, abril 22, 2015

Amar



Amar
Sem porquês ou porque não
Sem perguntas ou respostas
Sem qualquer condição

amar
onde nem sequer imaginar
quando não poder mais
na hora em que mais precisar

amar
porque é condição humana
Porque é tudo o que tenho
Porque é o meu nirvana

amar
é a minha força motriz
é minha alma aprendendo,
amor, ainda sou um aprendiz

terça-feira, abril 21, 2015

Neste rio



A sorrir que o rio me acompanhe
E sempre a correr onde ele for
Vou eu, e de champanhe
Na mão, iremos celebrar o amor

Porque amo o rio, e suas margens
Ele é vivo e não para, delimitado
Por arribas e belas paisagens
Ele corre sem nunca ficar cansado

Quando encontra um obstáculo
Não luta, simplesmente passa
Contorna qualquer pináculo
E em seu leito o abraça

A sorrir com ele me vou
Por mar dentro sem destino
O amor nos acompanhou
O verdadeiro, o genuíno